segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

sábado, 27 de dezembro de 2014

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

domingo, 21 de dezembro de 2014

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

COMO FITA AO VENTO *





Ela pesou apenas


o que sentia...


A balança mal tremeu


ao contato do seu pé.


A leveza de su'alma


era tanta que flutuou


como pipa pelos ares,


em rodopios coloridos.


Quem a viu, pode confirmar


o que vi, senti e bem sei:


quem se aventura na poesia


se livra dos metros e quilos


de fitas e balanças.


Ela, como pipa, como fita colorida,


livremente flutua ao vento...

Abel Sidney

8dez2014
*  Fico muito feliz com estes versos. Trata-se de uma leitura de Abel sobre o poema "Balança".


Balança


apenas

pesei

o

que

sentia


Eliana Pichinine


abracei


você


com

o

maior

tato

possível


Eliana Pichinine

Ícaro




asas


 de


 cera


somem


depressa


Eliana Pichinine

sábado, 22 de novembro de 2014

domingo, 16 de novembro de 2014

SILHUETA



 

Parecia

alada

aquela

mulher


Somente

as madeixas

cobriam

seu corpo


Vestia

sensualidade


O mar

sussurrava

em seus pelos



A cada 

olhar dela

para o  horizonte

surgiam

cenários pictóricos


Quando percebi

ao meu  redor

outros

da minha espécime

aguardavam

também descobrir

como voar

com os pés

na areia





A força

da lua


  regia

a dança

daquele corpo


Ela não pedia

aplausos

nem tampouco

o céu


Queria apenas 

 aprender 

a sorrir

com a 

felicidade

e a

aceitar

os reveses

do seu coração 


Começou 

pelo  toque

no rosto

 Aos poucos

sentiu

a garganta

soar em silêncio

e

as emoções bombearem 

em seu peito


Naquele instante

o  pouso aconteceria

gradativamente



Eu e os outros

pássaros 

tocamos em 

suas mãos


enfeitiçados

por tamanha 

beleza

fechamos os olhos

e também aprendemos a flutuar


sem que nenhum bater de asas acontecesse

Eliana Pichinine

sábado, 15 de novembro de 2014

domingo, 9 de novembro de 2014



falei

com

o

silêncio

que

ecoa 


em meu 


peito


disse

pra

ele

dormir

um

pouco

ou

mudar

de

travesseiro

colar

a

sola

do

sapato

e

seguir

seu

próprio

rumo

não

esperar

por

minha

decisão

pois

desconheço

a

trilha


Eliana Pichinine

sábado, 8 de novembro de 2014

sexta-feira, 17 de outubro de 2014


Fomos


estrondo



Rachamos

certezas



Sorvemos

o

vendaval


Juntamos

faíscas



Refizemos

o

querer



Revelamos

pulsações



Mergulhamos

no

rio

de

Heráclito



Eliana Pichinine

terça-feira, 7 de outubro de 2014

domingo, 5 de outubro de 2014

sábado, 27 de setembro de 2014



desaprender conquistas

revela descompasso


sou feita de laços

que só refaço

quando viram nó




Eliana Pichinine

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Matei

a

saudade!


Foi

certeiro


Sem

tempo

pra

defesa


ficou

desfalecida

quando

chegaste!


Eliana  Pichinine

domingo, 21 de setembro de 2014






Decisões


não deixam


de (ser) cisões



Algo parte


para dar lugar


a outras partes



Eliana Pichinine

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

domingo, 24 de agosto de 2014

sábado, 26 de julho de 2014

segunda-feira, 21 de julho de 2014

APATIA

  não

entendo

 a sua

apatia

diante

da

c  o    r   r   e   r    i    a

dos pulsos





Eliana Pichinine

quinta-feira, 17 de julho de 2014

quarta-feira, 16 de julho de 2014

4 anos do blog!



O blog http://versoseanversosfotogenicos.blogspot.com.br/ está completando 4 anos.

Agradeço o carinho dos leitores!

Poder conversar através da poesia é uma grande alegria.


Grande beijo!


Eliana Pichinine

terça-feira, 15 de julho de 2014

OPÇÕES



Quebra-cabeça do coração


Quebra-mola do pensamento


Quebra-queixo da angústia




Eliana Pichinine

sábado, 12 de julho de 2014

PONTO DE VISTA





   Círculo vicioso

  Quadrado vicioso

   Retângulo vicioso


  Triângulo vicioso



 Eliana Pichinine


in: PICHININE, Eliana- Retrrós, Ed. Multifoco, Rio de Janeiro, 2011.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

quarta-feira, 11 de junho de 2014

ÁLBUM



Lembranças

          amareladas
   
         avermelhadas

          rosadas
 
        umedecidas

        azuladas

      acinzentadas

      ensolaradas




Eliana Pichinine

in: PICHININE, Eliana- Retrós, Editora Multifoco, Rio de Janeiro, 2011.

sábado, 7 de junho de 2014

sexta-feira, 6 de junho de 2014

terça-feira, 3 de junho de 2014

sexta-feira, 30 de maio de 2014



      Queria muito

      ficar  contigo

     e adormecer

     receios nossos


      mas


a campainha tocou

as contas chegaram


Preciso dormir

pra acordar a realidade


Eliana Pichinine

  

quarta-feira, 28 de maio de 2014

terça-feira, 20 de maio de 2014

BATICUM DAS IDEIAS



arranquei


vísceras

das

palavras


Eliana Pichinine



Antes soubesse eu

o que fazer com estrelas na mão.


Se dilacerar-lhes a ponta


ou simplesmente não tocá-las.


Se estão perto cegam meus olhos.


Se estão longe as desejo.



Antes soubesse eu


o que fazer com estrelas na mão.



Hilda Hilst 



in: HILST, Hilda - Baladas (org. Alcir Pécora), Ed. Globo, São Paulo, 2003.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

quarta-feira, 14 de maio de 2014

ACONCHEGO




De lá

pra cá

nosso conto



De cá

pra lá

nosso canto


Eliana Pichinine

in: PICHININE, Eliana - Retrós, Editora Multifoco, Rio de Janeeiro, 2011.

SARAU RETRÓS COM A LÍNGUA SOLTA!

Com muita satisfação divulgo a quarta edição do Sarau Retrós com a Língua Solta!

Grande abraço,


Eliana Pichinine

sábado, 19 de abril de 2014

Engano meu



 


O engano

é meu

ninguém

 tasca


é capa

de chuva

em dia

ensolarado



é cama

dormindo

e a  insônia

de pé


é sorriso 

num 

dia 

enferrujado




 
é amor

imaturo

camuflado






é lágrima

na face

pela secura

dos olhos




é esperança

teimando
 
por um

regador



é brincadeira

que 

virou 

verdade





Eliana Pichinine