sexta-feira, 26 de junho de 2015

Sabe?



 

aquela dor que não termina?

aquela paixão que fulmina?

aquele calo que desatina?

aquele rosto que desafina?


aquele beijo que descortina?



Eliana Pichinine

Seco


Um

choro

seco

invadiu


minhas 


lágrimas 



TRAJETO DO POEMA



 Pulei da cama


calcei chinelos




Fui espreitar


a vida


Um tombo daqui

uma risada de  lá


Acompanho cirandas


de palavras


Acordo ruídos

dos cantos

da casa


Meu desjejum

será lanterna

acesa


Visito mundos

internos

sonolentos

esfacelados

coloridos



Descubro

sementes

germinando



Pro almoço

seguirei o instinto


No lanche

degustarei ritmos


Para o jantar


escolherei

suspiros



Eliana Pichinine